Cookie Consent by Free Privacy Policy Saiba quanto custa criar uma loja online
  • Equipa Cucabytech

Quanto custa criar uma loja online?

Atualizado: há 4 dias

O investimento numa loja online é maior que numa loja de rua !?

Obviamente, depende do contexto e dos objetivos a atingir por cada uma das lojas.

Como referencial, dou o exemplo do mais recente projeto de ecommerce em que estive envolvido.


Ano | Custos operacionais | Volume de vendas

1º | 60 mil euros | 50 mil euros

2º | 110 mil euros | 100 mil euros

3º | 330 mil euros | 315 mil euros

4º | 500 mil euros | 450 mil euros

5º | 800 mil euros | 1 milhão de euros


Qual é aqui o paradoxo? Ou melhor, quais são os paradoxos?


1º- A margem de comercialização que tínhamos do produto era relativamente baixa (entre 15% a 20%) e...


a) Os custos de transação por Paypal são de quase 5% fora da UE (bem sei que eles dizem que são de 2,9% + 0,30€, mas é necessário ler as entrelinhas...).

E os nossos principais mercados eram fora da União Europeia (UE), cujos cartões de crédito dos clientes, devido ao sistema 3D secure não funcionavam devidamente nos outros gateways de pagamento disponíveis no site, pelo que o Paypal era a melhor solução de pagamento.


Logo, da margem de venda média de 17%, era necessário descontar cerca de 4%, em média para custos financeiros da transação = 13% de margem líquida sobre cada venda à qual é necessário subtrair todos os demais custos operacionais e operacionais (RH, renda, luz, água, imobilizado, FSEs, etc, etc, etc, tal como uma loja física).

b) Apenas conseguimos negociar margens de venda interessantes a partir de 5º ano, quando começamos a ter um volume de vendas que permitia exercer maior poder negocial junto dos fornecedores tanto de produtos, como de soluções de pagamento online, para baixar, respetivamente, os preços e as comissões

2º- No 4º ano, tívemos de fazer um upgrade da plataforma de ecommerce que utilizamos, que era o Magento, para ser possível:

» melhorar o SEO

» o site ser mais responsive e mobile friendly, melhorando a experiência do utilizador

» o site ter um design mais apelativo e que reforçasse os call to action (CTA's)

» o site estar disponível em mais um idioma (passou para 4 idiomas)

» o back office de carregamento de conteúdo ser mais eficiente

Estas entre várias outras melhorias que fizeram aumentar os custos operacionais bem mais que o volume de vendas (tendo em conta que as mais de 10.000 páginas do site tiveram de ser reindexadas no Google 1 a 1 e, mesmo com os redirecionamentos 301, todas as novas páginas não estavam indexadas aos motores de busca, pelo que foi quase como começar do Zero).

Contudo estas melhorias eram indispensáveis para o volume de vendas online poder crescer para outros valores e, durante alguns anos futuros, esse investimento no upgrade na plataforma permitiria escalar o crescimento sem novo reinvestimento significativo.


3º- Em 5 anos, a equipa aumentou de 1 para 15 pessoas com várias valências:

» contratação e negociação com fornecedores

» design e desenvolvimento web

» especialistas em: SEO, Google Ads, Blogs, Email marketing, Marketing de Performance, Redes de Afiliados, Atendimento ao Cliente


Todos estes custos indicados em 1º, 2º e 3º consubstanciam o "paradoxo".



"Cada caso é um caso" e dependerá sempre do objetivo e da ambição


No exemplo apresentado, a loja online só se torna rentável após 5 anos e com um volume de faturação de 1.000 milhão de euros. Mas já existia essa percepção no início do projeto e esteve sempre na mente dos promoteres que iria ser um negócio à escala mundial que implicava uma rentabilidade negativa nos primeiros anos.


Certamente em lojas online de venda de serviços prestados pelos próprios criadores do site ou de lojas online de empresas produtores de bens ou serviços, as margens são maiores e o público alvo pode ter uma dimensão local, regional ou nacional, pelo que o investimento será bem menor e a rentabilidade poderá ser alcançada mais rapidamente (se o trabalho de marketing digital online e offline for feito devidamente).


O que custa é ver pessoas e empresas a investir na criação de lojas online na esperança de ganhos rápidos e elevados e a gastar milhares de euros com 0€ de vendas

Algumas até desistem antes de começar efetivamente a vender, ao ver os custos acumular e ao investirem o seu tempo em algo em que não vêem resultados.

Só o set up (montar) uma loja online é uma "dor de cabeça".

Convém ter algumas noções de código ou, pelo menos, ser bastante literado e desenrascado no digital, para através de tutoriais ou formação, conseguir colocar os produtos ou serviços online prontos para serem vendidos e entregues ao comprador (se esse for o caso).


E depois há todo um mundo de: otimizações orgânicas (SEO), campanhas pagas (Google Ads), comunicação com o público alvo (blogs, vlogs, redes sociais e profissionais), segmentação e comunicação com as base de dados de clientes (e-mail marketing), redes de afiliados, gestão de webchats, construção de landing pages...


Como referido, tudo depende do objetivo a que nos propomos, sendo o conselho de quem tem muitos anos de experiência no cálculo de quanto custa criar uma loja online que, previamente a fazer um investimento em ecommerce, contacte um(a) especialista no assunto que também saiba fazer análise financeira de projetos de criação de lojas online para apresentar vários cenários com custos e retorno expectável a 1, 3, 5, 7 anos.

O caminho mais fácil


Shopify, Wordpress, Wix, CTT Online, Dott, serviço Go-online da Altice Portugal e, inclusive, a loja gratuita do Facebook são algumas soluções com um reduzido investimento inicial, mas que, em grande parte dos casos também são uma dor de cabeça.


Um conselho, pague a um web developer com portefólio na configuração de lojas online ou a uma empresa que preste serviços nessa área para fazer o set-up da loja com tudo a que tem direito (Otimização de SEO e integração do Google Analytics, do Search Console e do Tag Manager e, já agora, do Ads)

Serão os 500€ mais bem gastos da sua vida!

Garanta que a loja online é responsiva, mobile friendly e as páginas carregam rápido.


Se não tem experiência nem conhecimentos de compra de domínios online, escolha do servidor mais adequado para o seu objetivo, setup de templates, plugins, etc, mesmo gostando de ver tutoriais e de comprar cursos online de criação de sites de ecommerce, não se meta nisso, exceto se tiver todo o tempo do mundo. Colocar um site de vendas online é bem diferente de montar móveis do IKEA, mesmo seguindo todas as instruções.


Se já tem um site e pretende crescer em vendas de forma significativa, as soluções acima indicadas também não correspondem às suas necessidades. São caminhos "facéis e rápidos" de entrar nesta área de negócio do online, mas que dificilmente permitem fazer crescer o negócio para uma escala mundial - o que não é assim tão difícil.


O público potencial do ecommerce é o mundo inteiro e o número de compradores online não pára de crescer. Pensar na criação de uma loja online para um público local, regional ou mesmo nacional é muito redutor.

Ainda que o seu público alvo seja Portugal, existe todo o mercado mundial da diáspora portuguesa que pode comprar os seus produtos e serviços online

"Só" o simples facto de adicional um 2º idioma ao seu site, pode fazer aumentar as vendas rapidamente em mais de 50%.


Pelo que é um investimento que compensa no médio prazo, mesmo face a toda a concorrência (que não pára de crescer, mas que não cresce tão rápido como os novos compradores online ou a recorrência da compra online. Isto é, compradores online que compram cada vez mais e mais vezes).


Mas para escalar e se tornar efetivamente num negócio mundial, é necessário evoluir para outro tipo de plataformas, como o Magento, o Woocommerce ou outras similares, ou para a construção de um website à medida.


Isto implica:

custos de programação/desenvolvimento web

avença mensal com empresa de suporte de IT

equipa com várias valências: SEO, PPC, gestão de redes sociais, direção ou subcontratação destes serviços

formação contínua

servidor e alojamento com maior capacidade/elasticidade

vários outros custos operacionais


Mais uma vez, o conselho é: contacte um(a) especialista no assunto que também saiba fazer análise financeira de projetos de criação de lojas online para apresentar vários cenários com custos e retorno expectável a 1, 3, 5, 7 anos.


O que é que o online consegue trazer ao comprador que uma loja física não consegue?


O contexto é muito variável dependendo das categorias de produto.

Em vários países, praticamente todos os retalhistas de bens de consumo e mercearia perdiam dinheiro no online antes do Covid-19.

Contudo, a outra alternativa era bem pior: perder dinheiro ou quota de mercado no offline.

Em suma, antes de criar ou escalar uma loja online para um valor de vendas significativo, o modelo de negócio tem de ser muito bem pensado e analisado antes de se investir à séria.

Claro que é sempre bom fazer algumas experiências e testar modelos de lojas online antes de fazer o scale up (escalar). Após as restrições implementadas durante a pandemia do Covid-19, houve crescimentos de 3x a 6x em lojas online já bastante consolidadas. Mas, ainda assim, muito abaixo das perdas acumuladas nas lojas físicas.


É imprescindível, previamente a começar no online ou investir à séria no ecommerce, fazer um diagnóstico apropriado das necessidades e do custo retorno a curto e médio prazo. Partilho uma excelente ferramenta de diagnóstico para isso.


Necessita de algum esclarecimento ou tem alguma questão sobre o que leu?


> Contacte-nos por Telefone ou Whatsapp (918 208 447) ou através do Email abaixo:


» Miguel Cardoso - miguel.c@cucabytech.pt

Podemos ajudar a sua empresa a criar uma loja online ou a vender mais online com soluções de apoio a empresas sem avenças mensais nem custos fixos.

Foto créditos @freepik.com @lantera

#marketing #marketingonline #marketingdigital #seo

  • Behance
  • Linkedin
  • Facebook

Todos os direitos reservados ©2020 Cucabytech                                   Privacy Policy

PORTUGAL